João Leite e Kalil já agem pensando no segundo turno

Orion Teixeira / 20/09/2016 – 06h11 no jornal Hoje em Dia

Com o cenário se consolidando na disputa pela Prefeitura de Belo Horizonte, os eventuais finalistas, João Leite (PSDB) e Alexandre Kalil (PHS), antecipam seus movimentos de olho no segundo turno. Em consideração aos outros nove concorrentes e à decisão do eleitor, os dois agem para atrair apoios políticos futuros que fortaleçam suas campanhas.

Em meio à turbulência, João Leite vai apanhando nas cordas sem bater, de modo a manter as pontes de reaproximação. Alvo dos potenciais aliados de João Leite, Kalil também antecipa a estratégia ao colocar os tucanos em sua linha de tiro. Como peru não morre mais de véspera, eles mantêm a discrição, mas também não querem deixar para discutir alianças depois do segundo turno.

Batedeira de bolo

Em meio à pulverização de candidaturas, Délio Malheiros (PSD) tem tido dificuldades para crescer. Sua candidatura reagiu nos últimos dias, mas em ritmo lento para quem precisa de uma ascensão que o coloque no segundo turno. Mantém-se estável e não consegue tomar votos de Kalil apesar dos ataques, que mais lembram batedeira que só faz o bolo crescer. Não há mais onde buscar votos, porque os outros já perderam tudo que tinham a perder.

Dá pra fazer?

Rodrigo Pacheco (PMDB) segue sem estratégia, com câmeras indiretas e propostas que lembram, apesar da boa retórica, as de Leonardo Quintão (PMDB), em 2008, como prefeitura 24 horas/dia, gestão integral (dá pra fazer). Salva-lhe apenas o discurso e a apresentação. Luis Tibé (PTdoB) se esforça para garantir o terceiro lugar.

Pesquisa falha na amostragem

A pesquisa do instituto CP2 (Consultoria, Pesquisa e Planejamento) sobre a eleição em Belo Horizonte, que poderá ser divulgada a partir de hoje, corre o risco até de ser impugnada por alguns partidos por conta de erro de amostragem. Em seu plano amostral, registrado na Justiça Eleitoral, na distribuição por sexo, consta que 52% de seus entrevistados são homens e 48%, mulheres. Os dados contrariam as estatísticas do próprio Tribunal Superior Eleitoral, segundo os quais, dos 1.927.460 eleitores da capital, 54,1% são mulheres e 45,7% são homens.

Novidade deste ano, pela primeira vez, as eleitoras passaram os eleitores em todos os estados. O Brasil possui atualmente mais de 144 milhões de votantes, sendo 75.226.056 mulheres cadastradas na Justiça Eleitoral – 6,4 milhões a mais que homens. Rio de Janeiro, com 53,48%, Pernambuco, com 53,42%, e Alagoas, com 53,22%, são os estados que possuem mais eleitoras.

Pesquisa 2: marqueteiro pula fora

Além da pesquisa que será divulgada hoje e das anteriores, o sinal mais flagrante de possível fracasso de uma campanha é quando seu marqueteiro a abandona. O publicitário Cacá Moreno deixou o candidato a prefeito Délio Malheiros (PSD) na reta final, sob o argumento de que não concorda em bater no adversário. É um mau sinal para a candidatura oficial, assim como foi para a campanha de reeleição do então governador Eduardo Azeredo (PSDB), em 1998; para a de prefeito de João Leite, em 2004, e para a de governador de Pimenta da Veiga, em 2014. Quando viu o barco afundar em todas essas, o marqueteiro não teve dúvidas.

,